Reforma Protestante

No dia 31 de outubro de 1517, 500 anos atrás, em uma porta na entrada da igreja do castelo de Wittenberg, Lutero pregou seu grande manifesto: um documento com 95 afirmações profundamente críticas à venda de indulgências pela Igreja Católica. Religiosos concediam o perdão divino em troca de dinheiro ou de bens dos fiéis. Eram pessoas que queriam pagar por seus pecados ainda aqui na Terra pensando que, com isso, garantiriam a entrada no reino dos céus. Mas Lutero entendia que, de acordo com as escrituras, isso jamais seria possível.

Em uma das teses mais duras pregadas na porta da igreja, Lutero afirmava que os religiosos que vendiam perdão estavam pregando “doutrinas humanas que dizem que assim que o dinheiro entra no cofre a alma sai voando do purgatório”.

Por fim, Lutero atacava também a riqueza acumulada pelo Vaticano. “Os verdadeiros tesouros da Igreja, de onde o papa distribui indulgências, não são suficientemente discutidos ou conhecidos pelo povo de Cristo”, ele dizia.

Por causa do ato de Lutero, a Igreja do Castelo, que também é conhecida com a Igreja de Todos os Santos, se tornou um marco do começo da Reforma Protestante. E até hoje, principalmente agora, nas celebrações dos 500 anos, pessoas do mundo inteiro vão até lá prestar homenagens ao homem que ousou desafiar a Igreja Católica num tempo de trevas e acabou mudando os rumos da história.

O monge alemão entrou em uma disputa tão perigosa com a Igreja que precisou passar um ano escondido em um castelo.

Quando voltou a Wittenberg, não mais católico, ele rejeitou a ideia de que padres deveriam ser celibatários e se casou com uma freira que abandonou o convento. Passou a criticar o que dizia ser um excesso de sacramentos e dogmas impostos pela Igreja. Foi repreendido pelo Papa, mas jamais se desculpou.

Voltando ao que se entendia serem as origens do cristianismo, surgiram as igrejas luteranas, presbiterianas e muitas outras denominações, que mais tarde chegariam também ao Brasil.

31 de outubro de 2017|Notícias|

Deixar Um Comentário