No século passado ainda não havia celular e o moleque irrequieto usava o Salmos e Hinos para se distrair durante as pregações. Chamava-lhe a atenção a quantidade de menções a uma certa Sarah Poulton Kalley. “Essa mulher parece ter produzido a maior parte do hinário”, pensava.

Anos depois, o adolescente tornou-se organista da igreja e a intimidade com a música sacra aumentou ainda mais. Leitor ávido, devorava tudo o que havia disponível sobre o tema. Fez alguns cursos e passou a reger o coral da igreja. Tinha prazer especial em fazer o convite-trocadilho: “Quem quer entrar no coro?”.

Publicidade

Do jazz ao rock, passei por diversos estilos musicais, porém os hinos continuam ocupando lugar especial no coração. O lançamento de Contando e Cantando, volumes 1 e 2 facilitou a tarefa de quem busca conhecer as histórias altamente inspirativas que se escondem em cada composição. Não são obra para ser lidas, mas degustadas. A cada relato, a leitura da poesia adquire novo significado. Cantarolar baixinho aquece a fé e lágrimas de gratidão tornam o momento singular.

Descansa, ó alma: eis o Senhor ao lado
Paciente leva, e sem queixar-te, a cruz
Deixa o Senhor tomar de ti cuidado
Ele não muda, o teu fiel Jesus!
Prossegue, ó alma: o Amigo celestial
Protegerá teus passos no espinhal

Por um delicioso capricho semântico, a palavra “hino” converteu-se recentemente em adjetivo: “minha mãe é um hino.” Em seu uso mais significativo: “aquela música é um hino”.

É surpreendente que as redes sociais tenham ressignificado um termo que nos é tão caro. Dizem que para conhecer a crença de um povo basta observar o que canta. No caso da fé protestante, nossa história foi entretecida como numa partitura na qual até as pausas têm significado.

Que as páginas dessa afinada dupla de livros renovem e eternizem nossa memória afetiva e musical. Preciosas s(er)ão as horas.

Extraído da: Ultimato Online / Opinião 

Texto: Sérgio Pavarini é jornalista, musicista e atua nas Redes Sociais.